Buscar

CAMINHOS DO BARRO ENTRE CULTURAS

Barcelos, Maio de 2022


No contexto das actividades que vamos realizando para divulgação do trabalho dos criadores que integram a plataforma Voador e da divulgação da cultura cabo-verdiana, que procuramos fazer, na sequência do repto lançado por Virgínia Fróis e do convite que nos foi amavelmente dirigido pelo Museu Internacional de Olaria em Barcelos para estar presentes na residência artística ligada ao programa CAMINHOS DO BARRO ENTRE CULTURAS, tivemos oportunidade de, para além de registar para a memória as actividades aí realizadas, conviver e acompanhar o trabalho desenvolvido pelas duas Mestres artesãs Maria Teresa Gomes Borges Varela (Lúci) e Natália Tavares Sanches, de Trás di Munti, Município do Tarrafal de Santiago que se deslocaram a Portugal a convite do Município de Barcelos. Assim, durante 3 dias tivemos a oportunidade de assistir e participar na produção de peças utilitárias, produzidas no Museu de Olaria, as quais foram depois de secas e queimadas, usadas para apoiar um almoço com a gastronomia típica do Tarrafal, confeccionado pelas nossas queridas amigas Natália e Lúci.



A todos os envolvidos um abraço fraternal. Um abraço especial dedicado a Virgínia Fróis, querida amiga e anfitriã espiritual.

....”.Um pote de argila cozida: não o coloque numa vitrine, ao lado

de objetos raros e preciosos. Pareceria fora do lugar. Sua beleza

está relacionada ao líquido que ele contém e à sede que deve

saciar. Sua beleza é corpórea: eu posso vê-lo, tocá-lo, sentir o seu

cheiro, ouvi-lo. Se estiver vazio, deve ser enchido; se estiver cheio,

deve ser esvaziado.”

Octávio Paz

In “O artesanato, o uso e a contemplação por Octávio Paz”

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo